23.5 C
Brasília
domingo, 26 junho, 2022
InícioDistrito FederalHorta comunitária tem cursos sobre alimentação saudável e de baixo custo

Horta comunitária tem cursos sobre alimentação saudável e de baixo custo

Localizado na comunidade do Morro Azul, em São Sebastião, o Instituto Girassol é uma horta orgânica comunitária reconhecida pelo trabalho de agricultura familiar, com foco na sustentabilidade ambiental e na segurança alimentar. Como forma de compartilhar o conhecimento com os moradores da região administrativa, o local promove uma série de cursos de capacitação.

O curso conduzido neste sábado (23) pela médica e nutróloga Clara Brandão abordou a alimentação com plantas alimentícias não convencionais | Fotos: Renato Araújo/Agência Brasília

O mais recente tratou da alimentação nutritiva com plantas alimentícias não convencionais (Panc). O objetivo foi compartilhar com agricultores, estudantes e comunidade em geral o conhecimento sobre hortaliças pouco usadas na alimentação cotidiana, mas que são ricas em nutrientes e vitaminas.

“Acredito que conhecimento é tudo. No ano passado, fizemos um curso de capacitação de agroecologia para floresta. Capacitamos mais de 70 pessoas. Temos parceria com escolas também, onde levamos a educação ambiental. Mas eu sempre tive essa vontade de que as pessoas conhecessem mais essa questão das Panc”, explica a coordenadora geral do Instituto Girassol, Hosana Alves do Nascimento.

Coordenadora do Instituto Girassol, Hosana Alves do Nascimento destaca o trabalho com educação ambiental nas escolas

A médica e nutróloga Clara Brandão foi responsável por conduzir o curso, que abordou como ter uma alimentação baseada no alto valor nutritivo, no custo baixo, no preparo rápido e no sabor regionalizado. “A gente quer que as pessoas entendam o que nós chamamos de fome oculta, que ocorre praticamente no planeta todo, que é a falta de minerais e vitaminas na alimentação. A quantidade de frutas e verduras que temos aqui [no Brasil] é imensa, o suficiente para ninguém passar fome. O que a gente precisa é aprender a utilizar essas plantas comestíveis”, afirma.

Durante a aula, Clara deu dicas de como utilizar a casca de ovo e a folha da mandioca em uma mistura nutricional e a folha da batata-doce no lugar da vagem, que costuma conter agrotóxicos. Além disso, a nutróloga ensinou como fazer uma multimistura para ser usada como suplemento alimentar que leva 70% de farelo de arroz e trigo, 15% de pó da folha de mandioca e 15% de gergelim, e o chamado torresmo de soja, com soja texturizada, óleo, gergelim, alho ou cebola em pó, folha de mandioca em pó e sal –  receitas feitas sem a utilização de fogo.

A professora Fernanda da Costa foi ao instituto comprar vegetais e participar de uma galinhada beneficente e acabou sendo agraciada com o curso: “Foi uma surpresa positiva”

Moradora do Mangueiral, a professora Fernanda Silva Sousa da Costa, 41 anos, se mostrou animada com o conhecimento apreendido durante a aula. Após um período sem frequentar a horta, ela foi até o local com o intuito de comprar vegetais e participar de uma galinhada beneficente e acabou sendo agraciada com o curso. “Cheguei aqui e tinha essa aula de Panc com uma professora especialista. Foi uma surpresa positiva. Eu estou melhorando a qualidade da minha alimentação, então tem sido uma ótima experiência”, conta.

Essa é apenas a primeira de uma série de capacitações que serão feitas no Instituto Girassol ao longo do ano.

Produção

Com 5 mil metros quadrados em terreno cedido pela Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap), a horta funciona desde 2005 no Morro Azul, onde antes havia um lixão. Recentemente, o local ganhou do governo mais 1.000 metros quadrados, que serão utilizados.

O trabalho na horta conta com assistência da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF) por meio do programa Agricultura Urbana, que distribui gratuitamente insumos e dá assistência técnica aos agricultores.

“Apoiamos todas as iniciativas de agricultura urbana, em especial hortas comunitárias, escolares ou medicinais. O foco é sensibilizar a população urbana para uma alimentação saudável e sustentável. Assim disseminamos ideias de consumo de hortaliças, frutas e outros alimentos frescos e de baixo custo”, explica o gerente de Agricultura Urbana da Emater, Rogério Viana.

Para ele, o Instituto Girassol é um bom exemplo de sucesso exatamente por divulgar as potencialidades da agricultura familiar ao produzir alimentos seguros, saudáveis, baratos e sustentáveis.

Atualmente, a horta comercializa a produção em dois formatos. Um deles é o CSA (Community-Supported Agriculture), uma parceria direta com os consumidores. São 25 coagricultores, cotistas que retiram semanalmente uma cesta com 15 itens, entre esses, legumes, hortaliças e frutas. Também há a venda para a comunidade a preço de custo. A renda dos agricultores é fruto dessas vendas. Todo o excedente dos produtos é doado.

Fonte: Agência Brasília

RELATED ARTICLES

Most Popular

Recent Comments