23.5 C
Brasília
domingo, 26 junho, 2022
InícioDistrito FederalRecomposição da vegetação ajuda na preservação dos recursos hídricos

Recomposição da vegetação ajuda na preservação dos recursos hídricos

No Dia Mundial da Água, comemorado em 22 de março, a Secretaria do Meio Ambiente (Sema) chama a atenção para a importância da recomposição da vegetação nativa do cerrado como elemento fundamental na preservação desse recurso natural essencial à vida.

Plantio de árvores nativas tem papel fundamental na recuperação das nascentes | Foto: Divulgação/Sema

“A recuperação de nascentes que estamos fazendo aqui no DF, mesmo que em pequena escala, servirá de incentivo para novas ações”
– Sarney Filho, secretário de Meio Ambiente

Por meio do Projeto CITinova, que investe no desenvolvimento urbano sustentável e em tecnologias inovadoras, a Sema colabora com a recuperação de 80 hectares de áreas de preservação permanente (APPs) nas bacias dos rios Descoberto e Paranoá, que abastecem o Distrito Federal.

Já foram plantadas 6.504 mudas de espécies nativas do cerrado em 67 propriedades rurais e em 10 hectares nos parques ecológicos de Águas Claras e do Riacho Fundo.

“Mapeamos áreas de alta prioridade de recuperação, num total de 91 mil hectares”, informa a coordenadora de Recursos Hídricos da Subsecretaria de Gestão das Águas e Resíduos Sólidos da Sema, Patrícia Valls e Silva. “A ideia é dar continuidade a essa ação aqui no DF, por meio de mais projetos”.

O secretário do Meio Ambiente, Sarney Filho, lembra que o cerrado é considerado o berço das águas do Brasil, por abrigar as nascentes de três importantes bacias hidrográficas da América do Sul: Platina, Amazônica e São Francisco. “A recuperação de nascentes que estamos fazendo aqui no DF, mesmo que em pequena escala, servirá de incentivo para novas ações”, afirma. “O importante é que não deixemos de espalhar a consciência ambiental, porque quem conhece protege”.

Parceria

O projeto CITinova conta com a parceria de pequenos proprietários rurais. Urias Pedro da Silva é dono da Chácara Buriti, em Brazlândia, com 22 hectares, na área de proteção do manancial do Barrocão. Lá ele tem duas nascentes, uma delas perene – com água brotando o ano todo. “Estou aqui há 37 anos, e a água vinha diminuindo, por isso, me inscrevi no projeto e estou muito satisfeito”, relata.

Segundo ele, o volume de água da nascente vem aumentando após o plantio das 600 mudas de árvores nativas, como jatobá-da-mata, aroeira-pimenteira, bálsamo, gonçalo-alves, ipês, ingá, angico, landim, cutieira, mutamba, copaíba, baru, araçá, jenipapo e pente-de-macaco.

A Lei nº 12.651/2012, conhecida como Código Florestal, estabelece a proteção da vegetação em um raio de 50 metros no entorno de nascentes. Assim, o plantio de mudas nativas na área de Urias também vai garantir a regularidade ambiental da propriedade.

Restauração

O projeto também oferece capacitações e consultoria para restauração das áreas, além da implementação de Sistemas Agroflorestais (SAFs) em 20 hectares e curso para formação de comunidades que sustentam a agricultura (CSAs).

“Ao todo, estão sendo realizados seis projetos, totalizando um valor de quase R$ 5 milhões, entre o projeto CITinova e emendas parlamentares”, explica o subsecretário de Gestão das Águas e Resíduos Sólidos, João Carlos Couto Lóssio Filho. “A Secretaria de Meio Ambiente está em busca de novas parcerias, novos investimentos, com o objetivo de expandir essas ações para outras bacias do DF.”

O CITinova é um projeto multilateral executado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Os recursos são do Global Environment Facility (GEF), com implementação a cargo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma). A execução no DF se dá por meio da Sema, em parceria com o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE).

*Com informações da Secretaria de Meio Ambiente do DF

Agência Brasília* | Edição: Chico Neto

Fonte: Agência Brasília

RELATED ARTICLES

Most Popular

Recent Comments